Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Padilla ajoelha-se a Santarém numa tarde em que o céu chorou a morte de Fandiño

  • 2017-06-18 02:15
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Pouco público em tarde calorosa na Celestino Graça.
Cartel composto por Luís Rouxinol, João Moura Caetano, Juan José Padilla, Forcados de Santarém e toiros de Cunhal Patrício, Paulo Caetano e Maria Guiomar Cortes Moura.
Juan José Padilla saiu em ombros, apaixonou Santarém, mas...
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Quando Juan José Padilla se ajoelhou para receber com uma larga afarolada, o sexto toiro da ordem de lide, já o céu tinha dado sinais de luto e tinha mesmo chorado a morte de Iván Fandiño, por cornada fatal na arena francesa…

Amén… poderia dizer Padilla, Amén, dizemos nós pela tão grande tragédia que uma vez mais se abateu na tauromaquia mundial…

Ora se choramos a morte de um toureiro, espanhol frise-se… ora se sentimos que morreu ‘um dos nossos’, então porque se insiste em dizer que certos cartéis não deveriam ter acontecido na Praça de Touros Celestino Graça, discutindo-se as suas nacionalidades?

Fica a questão, num dia atípico, de calor, de céu enegrecido e choroso por uma perda inesperada…

Mais de 44 graus em Santarém. Poucos corajosos na bancada, poucos corajosos até na trincheira, imagine-se… bancadas de sol às moscas, mas, ainda assim, com afoitos que não arredaram pé, nem mesmo, quando o virar de costas teria perdão.

O ‘humanamente impossível’, torna-se possível com o amor pela Festa fala mais alto e quando a afición facebookiana, não chega…

Coragem maior para esses indivíduos do sol, reconhecimento de Padilla e dos seus colegas de cartel, que por ali passaram a cada volta, como que agradecendo não só as palmas, mas sobretudo, a força inabalável de ‘gostar disto’.

Toiros de Cunhal Patrício, Maria Guiomar Cortes de Moura e Paulo Caetano, de apresentação adequada, ainda que sem relevo de maior no que a trapio concerne, sendo que Paulo Caetano, deu volta depois da lide do sexto, de boa nota. Menos manejáveis os de Cunhal Patrício, resultando mais mansote, o primeiro da ordem, de Cunhal Patrício.

Em ano de comemoração de três décadas de alternativa, lidou o primeiro e quarto, Luís Rouxinol. Mais discreto frente ao tal mansote primeiro, em bom plano, frente ao manejável quarto. Neste último, o veterano ginete, andou em plano elevado com o Douro, brilhando na brega e posteriormente, com o Antoñete e um muito bom par de bandarilhas.

João Moura Caetano, reafirmou em Santarém, o momento maduro que atravessa na sua carreira. Tudo é feito com segurança, calma e paz interior, sendo que os resultados surgem, com aparente facilidade. Bem no primeiro, com bons curtos. Muito, muito bem, no segundo do seu lote, sobretudo quando montou o Temperamento. A batida ao piton contrário é feita com elegância, os remates, são muletazos. Os compridos foram também momentos altos desta sua feliz prestação.

As pegas estiveram por conta dos Amadores de Santarém, em tarde de ausência do líder da formação escalabitana. Na cara dos toiros estiveram Salvador Ribeiro de Almeida, David Inácio, Lourenço Ribeiro e António Taurino, em consumações ao quarto, primeiro, primeiro e terceiro intentos, respectivamente.

Juan José Padilla foi em Santarém, aquilo que dele se esperava.

Simpatia, poder de comunicação e conectividade com as bancadas, desplantes e até séries de relevo. Não defraudou, saindo em ombros (justifica-se pela paixão que desperta nas gentes que vão aos toiros) por uma porta de acesso ao interior do tauródromo.

Em ambos os toiros, recebeu de joelhos, com largas afaroladas, em ambos deu brado em bandarilhas, em ambos protagonizou boas séries, em ambos foi ovacionado, em ambos, deu duas voltas à arena.

Frente ao primeiro, sofreu voltareta aparatosa, sem que contudo se registassem mazelas a assinalar.

E tudo terminou… por hoje, dia triste pela perda de um toureiro, dia triste porque a Celestino Graça, não viveu os tempos de glória de outras datas homólogas, dia triste, porque os aficionados, já não são o que foram, dia triste, porque ontem… fomos menos!

O festejo foi dirigido pelo Sr. Lourenço Luzio, assessorado pelo médico veterinário, José Luís Cruz.