Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

PAN ataca garraiadas académicas

  • 2017-11-07 22:41
  • Autor da Foto: D.R.


Dinheiros públicos novamente na ordem do dia

O Partido Pessoas Animais e Natureza, apresentou recentemente na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, o Projecto de Resolução que visa recomendar ao Governo a proibição da utilização de dinheiros públicos para financiamento direto ou indireto de garraiadas académicas, anualmente inseridas nas ‘Queimas das Fitas’.

O PAN insiste numa falsa questão, pois por diversas vezes ficou provado que a tauromaquia não subsiste com dinheiros públicos, bastando para tal consultar o Orçamento de Estado que foi recentemente aprovado, e que a nível cultural não destina qualquer verba para a tauromaquia, tal como o TouroeOuro noticiou anteriormente.

As garraiadas académicas, elemento da tradição académica, fortemente enraizado, e na quais actuaram as grandes figuras do nosso escalafón actual, são montadas com a ‘carolice’ das instituições académicas, que com elas ainda recolhem alguns fundos, com a venda dos ingressos para a mesma.
Nos últimos anos, e fruto de alguma incompreensível pressão ‘anti taurina’ a que as associações académicas têm cedido, as garraiadas académicas deixaram de ter a ‘parte séria’, que normalmente era composta por cavaleiros e espadas amadores e por grupos de forcados académicos, e passaram a ser somente uma largada de vacas bravas, que alguns estudantes mais afoitos enfrentam na arena.

 O que o PAN pretende com esta iniciativa, é terminar veemente com uma tradição com dezenas de anos, que leva anualmente milhares de jovens às praças de touros de Portugal, onde é fomentada uma actividade cultural e saudável, ao invés de outras actividades, que agora estão na ordem do dia, pela violência que muitas delas envolvem.

Até ao momento, não é conhecida nenhuma reação, quer por parte das associações académicas, quer por parte de alguma das associações ligadas ao sector tauromáquico, sendo praticamente certo, que ambas deverão ser ouvidas pela referida Comissão a que foi submetida esta proposta de lei.