• geral@touroeouro.com

Sexta-feira Santa… dia de jejum em tempo de ausência de valores

  • 2018-03-30 15:02
  • Autor: Solange Pinto


'Uma coisa é certa: há ‘uns’ que organizam viagens, outros que organizam jantares e outros que informam!'

Os alentejanos, nem mais, nem menos católicos que os restantes portugueses, mas sim, com ligações fortes à Igreja, ‘ligam’ ainda muito às tradições tão inerentes a estes dias ‘santos’…

Hoje, por exemplo, é o dia em que mesmo os grandes amantes de carne, se ‘obrigavam’ a não comê-la… Quase que se podia chamar o dia do bacalhau, ou não fosse a ‘espécie de peixe’, mas encontrada naquela região do país, afastada do litoral e em consequência, de outros ‘pescaditos’…

Acho particular graça a estas coisas a que se chamam tradições, e sejamos francos, tradições mais que devoções… sou católica, com uma fé brutal e crenças fortíssimas, mas sei, que comer carne, não me trará o passaporte para o inferno, como comer peixe, não me dará a paz eterna…

A minha fé, faz-me lembrar hoje e mais que nunca, na Virgem de Macarena e na Virgem de Guadalupe, as minhas grandes aliadas nas minhas cruzadas…

Falava em tradições porque tenho que dizer isto… As corridas de touros, pois, corridas de touros e não touradas como os iluminados querem chamar, vivem disto mesmo, de tradições, de pequenos gestos repetidos, de solenidades, de cores, de texturas… Se lhes mudarem a essência, perderá a identidade.

As corridas de touros passam a chamar-se touradas; as quintas-feiras no Campo Pequeno, passam a sábados; o horário da 22 horas, passa a 21h45; as cortesias à portuguesa, passam a cortesias à espanhola…

Calma, que isto a que chamamos tauromaquia tem preceitos e talvez por isso, se tenha mantido de forma intemporal…

Tudo isto, faz-me transportar para uma realidade que é também a minha. A da imprensa. Agora, qualquer um tem um sítio na Web, denominando-o automaticamente de órgão de comunicação. O passo seguinte, é dizerem que têm colaboradores, e o terceiro passo, acreditarem que uma página de facebook, é uma forma credenciada de comunicar.

Acordem. A informação é uma coisa séria, que tem riscos e pode provocar ‘acidentes’ indesejáveis. A informação, é mais que passear o rabiosque na trincheira… A informação, é mais que tratar decanos por ‘tu’, com a facilidade com que se vai à casa-de-banho. A informação, pode e deve ter nível, que não pode ser a da entrada fácil, num mundo tão órfão de filtros.

Uma coisa é certa: há ‘uns’ que organizam viagens, outros que organizam jantares e outros que informam!

Os das viagens, acredito que tenham agora descoberto o CAE correcto para a actividade que desenvolvem; o dos jantares, também, ou não fosse amante dos repastos exibidos sem pudor, onde se adivinham os negócios ‘parciais’ que darão origem a noticias também parciais… os que informam, cá estão para Vos desejar, uma Páscoa muito feliz…