• geral@touroeouro.com

Ventura rei na terra de Espartaco

  • 2018-04-15 20:31
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Oito orelhas e dois rabos foram o resultado 'numérico' do exitoso espectáculo protagonizado por Diego Ventura, em Espartinas, Sevilha.
Lotação esgotada e boa presença também dos forcados do Grupo de Amadores de Alcochete, com toiros das ganadarias de Prieto de la Cal, Pallarés, Partido de Resina, Diego Ventura, Maria Guiomar Cortes de Moura e Los Espartales.
Actuaram ainda como sobresalientes, os rejoneadores Manuel Munera e Manuel Moreno.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Não foi de todo o clima sonhado para acompanhar tão grande tarde de toiros… a forma como amanheceu o dia de hoje, não fazia prever a tarde ‘oscura’ que haveria de imperar… contudo e ainda assim, o império foi de Ventura, Diego Ventura, o tal que ‘reinou’ na terra de Espartaco, presente no festejo…

Ilustres, ‘arrastados’ pelo toureio de Ventura, houve muitos… José António ‘Morante de la Puebla’, Francisco Rivera Ordoñez, Julián Lopez ‘El Juli’, Miguel Ángel Perera, João Moura, Álvaro Domecq, Rui Fernandes e tantas outras personagens do meio taurino e social, que importará rever mais tarde em galeria…

Oito orelhas e dois rabos, foram o saldo de um festejo histórico, no qual marcou também presença, o Grupo de Forcados Amadores de Alcochete. João Belmonte concretizou ao segundo intento a primeira de duas pegas a cargo da formação lusa e Rafael Calado, à primeira tentativa, a derradeira pega.

A primeira ‘vitória’ do desafio imposto pelo toureiro luso-espanhol, foi ter colocado mais de um par de horas antes, o cartel de ‘no hay billetes’. Grande ambiente, sobretudo nas imediações do tauródromo que orgulhosamente enverga como ‘guardião’ da Porta Grande, a estátua de um dos mais emblemáticos toureiros da história moderna da tauromaquia. Espartaco!

Ventura, lidou reses de Prieto de la Cal, Pallarés, Partido de Resina, Diego Ventura, Guiomar Cortes de Moura e Los Espartales. Todos acabaram por servir, alguns com maior transmissão que outros, embora, o grande impulsionador dos seis triunfos, tenha sido o toureiro radicado em La Puebla del Rio.

Foram muitos os cavalos saídos à arena, dos quais se destacaram de saída, Guadalquivir e Lambrusco, seguríssimos de todos as incidências iniciais de cada lide. Em bandarilhas, primazia à importância de Nazarí e a sua imponente brega a duas pistas, bem como os ferros quase impossíveis de Fino e as suas impressionantes ‘paradas’ na cara do toiro, seguidas das surreais batidas ao pitón contrário.

No que a remates concerne, contam-se os momentos vividos com o veterano Remate e as suas bandarilhas curtas, muitas das vezes ‘al violin’ e o par de bandarilhas, sem cabeçada, pelo Dóllar… Soberbo!

Dos brindes, os significativas homenagens feitas pelo toureiro a seu filho, o pequeno Dieguito e o brinde feito aos elementos do Grupo de Forcados Amadores de Alcochete.

Também houve lugar à exibição dos sobresalientes e pupilos de Ventura, Manuel Munera e Manuel Moreno, bem os dois, a evidenciar muita solvência.

A chuva não afastou ninguém dos seus lugares… porque quando há toureio de verdade, todos os climas são suportáveis.

Ventura 'cumbre' no ano em que comemora 20 anos de alternativa.

Meteorologia