• geral@touroeouro.com

Crónica - Ascensão é na Chamusca!

  • 2018-05-10 23:23
  • Autor: Rodrigo Viana
  • Autor da Foto: Carlos M. Pedroso


Realizou-se esta quinta-feira, na Chamusca, a tradicional Corrida de Ascensão.
A cavalo, marcaram presença os cavaleiros Luís Rouxinol e Duarte Pinto, estando as pegas a cargo dos Grupos de Forcados Amadores e Aposento da Chamusca.
A pé lidou Manuel Dias Gomes.
As ganadarias em cartel, foram as de Prudêncio (para a lide a cavalo) e Falé Filipe (para a lide a pé).
A Praça de Touros da Chamusca, registou meia entrada.

CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA

A Quinta-feira de Ascensão, Dia da Espiga, feriado municipal na vila da Chamusca começa bem cedo nas ruas desta castiça localidade no Coração do Ribatejo. Milhares de pessoas nas ruas, soa o fado no ar, saem os toiros às ruas. Que ambientazo!

Tarde solarenga, meia praça preenchida para assistir à tradicional corrida mista que este ano contava com um cartel composto pelos cavaleiros Luís Rouxinol e Duarte Pinto e pelo matador Manuel Dias Gomes. Pegavam os toiros da parte equestre os dois grupos da terra, os Amadores e os do Aposento da Chamusca. Lidavam-se toiros de Prudêncio a cavalo e de Falé Filipe no que à lide a pé, diz respeito.

Iniciou funções o mais velho de alternativa, Luís Rouxinol, que teve duas lides distintas.

Na primeira enfrentou um toiro, de trapio irrepreensível, que pela esquerda se adiantava uma brutalidade. Desde cedo que o demonstrou ao ginete de Pegões, entalando-o contra as trincheiras com algum aparato após o primeiro comprido da tarde, deixando o cavaleiro com algumas dores no joelho direito. Após este percalço apareceu a habitual mestria e garra do experiente toureiro, permitindo que deixasse a ferragem da ordem com eficácia, todavia sem deslumbrar. Frente ao segundo de seu lote que saiu distraidote, sem se empregar, Luís sacou o Douro, uma das estrelas da sua quadra, imprimindo uma lide com sortes bem desenhadas, ferros de valor e adornos de levantar praça. Fechou a sua passagem neste castiço tauródromo, deixando um ferro de palmo e o habitual par de bandarilhas de excelente nota.

Seguiu-se Duarte Pinto, que se começa a afirmar como um dos pilares do toureio clássico em Portugal. Duas lides similares baseadas no seu conceito frente a dois toiros que se deixaram, porém com pouca mobilidade. Toureio muito comunicativo, havendo muita ligação com o conclave presente, sortes frontais bem preparadas, reuniões com ligeira batida ao pitón contrário cingidas, cravagem en su sítio. Esteve a gosto, o povo notou e aplaudiu. Esta foi a sua primeira aparição nesta temporada, que venham as próximas!

A lide a pé esteve a cargo de Manuel Dias Gomes que no seu primeiro brindara ao Maestro Vítor Mendes, não teve grande luzimento. Saiu bem de capote, porém na muleta viram-se apenas alguns passes pela direita e uma boa série pela esquerda. No que fechou a tarde de toiros, a história foi diferente! Recebeu de rodillas en el suelo, bons quites de capote, um de verónicas, outro de chicuelinas e na muleta viram-se bons momentos de toureio. Uma grande série de derechazos terminada com um passe natural de peito espetacular. Terminou faena ovacionado devido ao seu toureio de proximidade, mostrando total simbiose entre touro e toureiro.

No que a forcados diz respeito, pegaram pelos Amadores, Luís Isidro que se despedira hoje das arenas dando emotiva volta debaixo de grande ovação, à segunda tentativa e Bernardo Borges numa pega tecnicamente perfeita a todos os níveis ao bom primeiro intento. Pelos do Aposento pegaram João Saraiva à primeira tentativa e Francisco Andrade ao terceiro intento.

Estavam em disputa dois troféus, o troféu João Duque para a melhor lide que foi ganho por Luís Rouxinol pela lide que abriu a segunda parte do espetáculo e o troféu Eng.Jorge Duque, para a melhor pega, ganha por Bernardo Borges ao mesmo toiro que permitiu ao cavaleiro ganhar o seu troféu.

Dirigiu com acerto o delegado técnico tauromáquico Lourenço Luzio, assessorado pelo médico veterinário José Luís Cruz.

P.S: Não posso terminar sem agradecer, em meu nome e em nome do fotógrafo de serviço a este site, Carlos Pedroso, a forma como fomos recebidos após a corrida pela “Tertúlia Porta Aberta” que nos premiaram com excelentes momentos de Fado, mostrando que a Festa de Toiros está bem viva no Coração do Ribatejo e que a Ascensão é na Chamusca!