• geral@touroeouro.com

Abolição da Tauromaquia em discussão no Parlamento

  • 2018-05-15 15:24
  • Autor da Foto: D.R.


Pela primeira vez um partido político pretende abolir a tauromaquia por Projecto de Lei

Dando continuidade à sua luta anti taurina, o PAN, partido que se intitula defensor das pessoas, animais e natureza, irá agendar no dia de amanhã, quarta-feira, 16 de Maio, na Conferência de líderes, a realizar na Assembleia da República pelas 11 horas da manhã, o debate do Projecto de Lei, que visa abolir a tauromaquia em Portugal.

Pela primeira vez um partido político irá apresentar um Projecto de Lei, que a ser aprovado, irá terminar com a actividade taurina em Portugal, indo assim contra a Constituição da República Portuguesa, onde está consagrado o direito à cultura.

De acordo com comunicado do Partido PAN, o projecto de lei apresenta uma extensa análise dos espetáculos tauromáquicos do ponto de vista histórico, social e cultural com recurso a estudos científicos de organizações nacionais e internacionais sobre as implicações nocivas e transversais que a prática tem nas crianças, nos jovens e adultos, bem como nos animais envolvidos.

Ainda que mascarado com uma série de inverdades, como o caso dos subsídios públicos, do número de espectáculos por região, e sobretudo do número de público que marca presença nos espectáculos, este projecto de lei pretende acabar ‘por decreto’ com algo que apaixona e leva milhares de espectadores às praças de touros de todo o país.

Do comunicado do PAN enviado às redacções,  (que pode ler AQUI), destaque para dois pontos fundamentais que passamos a destacar, e que são bem demonstrativos do que pretende este partido que se diz defender Pessoas, Animais e Natureza…

Massacres públicos de touros para fins de entretenimento já foram práticos em toda a Europa e foram sendo banidos paulatinamente em praticamente todos os países deste continente. Dos 193 países do Mundo apenas 8 têm atividade tauromáquica.’

Para o PAN afirmar que estas práticas fazem parte da identidade nacional é pretender que uma minoria da população que assiste a corridas de touros seja considerada mais “portuguesa” do que a grande maioria que não se revê neste tipo de espetáculos, o que é, no mínimo, desconcertante.’

O TouroeOuro contactou Paulo Pessoa de Carvalho, Presidente da Federação Prótoiro, no sentido de obter um comentário do responsável máximo da Federação que une a totalidade das Associações Tauromáquicas Portuguesas, sobre este projecto de lei, que nos afirmou que ‘eram conhecedores da situação, e que a Prótoiro irá durante a tarde reagir ao tema em questão’.

Meteorologia