• geral@touroeouro.com

Vila Franca – Triunfou a Festa dos Toiros!

  • 2018-10-10 07:25
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


A Praça de Touros Palha Blanco, recebeu esta terça-feira, a tradicional Corrida nocturna da Feira de Outubro.
António Telles e Diego Ventura, mano-a-mano, na lide de touros das ganadarias, Prudêncio, Palha e Maria Guiomar Cortes de Moura, com os Forcados Amadores de Vila Franca de Xira a pegarem em solitário, em noite de mudança de cabo.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

O primeiro, ou melhor, os primeiros triunfadores da noite de toiros vilafranquense, são indiscutivelmente o empresário Ricardo Levesinho e a sua colaborante família… Sonhar um cartel assim, com arrojo e poderio, não é para todos…

Vila Franca ousou, saiu vencedora e quem enriqueceu com o ambientazo vivido, foi a Festa! Triunfo da Festa, inequívoco. Quando se juntam peças que em uníssono contribuem para a mesma causa, o resultado, é o ESGOTADO que se registou na corrida última da Feira de Outubro, na Palha Blanco.

António Telles, Diego Ventura e o Grupo de Forcados de Vila Franca, com a despedida do cabo… todos de acordo… toiros com ‘selos’ para todos os gostos e… mais?

Máxima competição entre ginetes, mas a isso, já lá iremos…

Justiça máxima ao forcado Ricardo Castelo. Mais que um cabo, exemplar, de classe e elegância, despediu-se um dos melhores forcados da sua geração. Esteve uma vez mais enorme, efectivando pega ao primeiro intento, despedindo de seguida a jaqueta, entregando-a a Vasco Pereira, o novel líder da formação.

Vila Franca rendeu-lhe bonito tributo, esteve enorme para com um forcado de dimensão agigantada. Seguiram-se pegas de Vasco Pereira, efectivando ao quarto intento, Francisco Faria, à primeira tentativa, David Moreira, à primeira, Márcio Francisco, à segunda e Rui Godinho, à primeira tentativa.

A cavalo, bem, competição ao mais alto nível!!! E que seria da tauromaquia sem competição?

Estilos diferentes, diria que antagónicos, duas figuras, dois conceitos e duas distintas histórias.

António Telles, esteve verdadeiramente bem e o resto são cantigas de embalar… Bem frente ao primeiro, muito bem frente ao segundo, soberbo, magistral, rotundo frente ao terceiro.

A verdade, nua e crua, é que António teve a sorte do seu lado, tocando-lhe o melhor lote de toiros. Actuou em crescendo, estando em plano superior… Curtos de relevo, brega clássica, poderosa! Mas calma, frente ao Guiomar, actuou de uma forma quase inigualável, num registo que nem sequer é o seu… ‘despacito’, com temple e arte por todos os poros. Ligado, com recortes bonitos, com emoção, a emocionar…

António deu duas voltas ao segundo, bom toiro de Guiomar, soberbo.

Antes havia lidado um Prudêncio que se deixou e um Palha ao qual deu uma lide adequadíssima. Este Palha, diga-se, recebeu à porta gaiola e ao último, o tal de Guiomar, cravou-lhe o primeiro em sorte de gaiola. Os seus brindes, foram ao público e a Diego Ventura…

O público está consigo, naquela, que é sem lugar a dúvidas, a sua praça, mais que qualquer outra… mesmo que (… e também houve), haja um qualquer toquito na montada, o público perdoa… A Diego Ventura, não se permitiam erros. Ventura ali triunfou há um ano, mas precisava nesta noite, de estar dez, quiçá vinte vezes melhor que em Outubro do passado ano, para que o público o ‘aceitasse’ como um dos ‘seus’. Vila Franca é assim, adopta ‘uns’, exclui ‘outros’ e há muitos outros, a quem Vila Franca não suporta ali ver… mas adiante!

Se a Telles tocou o melhor lote, certo é, que Ventura sorteou o pior. Os três touros foram magnificamente recebidos. Sempre muito em curto, num toureio de proximidades inatingíveis. Nos curtos e apesar da intermitência da sua primeira actuação, há que reconhecer, que pôs tudo de si, sobretudo a garra e o nulo medo de pôr o toiro fechado em tábuas e ataca-lo, parecendo não haver dia seguinte… No segundo, violinos ao piton contrário, brega a duas pistas e claro, tudo, com imensa toreria… Lidados o Prudêncio e o Palha, eis que chegou o Maria Guiomar Cortes de Moura e novamente, um bom toiro. Bem Ventura em bandarilhas. Curtos de escândalo. Público definitivamente em pé… fosse em Vila Franca ou em qualquer praça do mundo. Estes ferros, que levantam o público em jeito de molas elásticas, valeriam, o corte de troféus… ali, valeram apenas uma volta à arena. Rematou com dois fenomenais, magistrais mesmo, pares de bandarilhas, sem cabeçada. O público queria mais e mais e Ventura, deixou mais um palmito, acompanhado de uma brega com remates em piruetas e… tanta coisa, tanto que fez, tanto… Tudo se exige a Diego, tudo se cobra e pouco se reconhece, mas…

Vila Franca e a sua Palha Blanco, viveram nesta terça-feira, de feira, uma noite que dificilmente se esquecerá… com casos, com ânimos quentes na bancada, à ‘antigua’!

Isto é a paixão pela Festa dos Toiros!