Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Opinião d'Ouro - Hoje estamos aqui amanhã podemos ser saudade

  • 2019-05-29 22:20
  • Autor: Rodrigo Viana


'...Se queremos daqui a cinco anos estar aqui, no país em que nascemos e crescemos a assistir a tão belo espetáculo temos mesmo de nos unir. Amanhã poderá ser tarde… Hoje estamos aqui, amanhã podemos ser saudade...'

É a notícia do passado Domingo, o PAN conquistou 5.1% dos votos dos portugueses e, dessa forma, colocou um eurodeputado no Parlamento Europeu. Este anedótico partido constitui-se como um perigo para a sociedade, bem como para a nossa tão querida festa. Estes resultados são um aviso sério para o que aí vem nas próximas eleições legislativas, até porque o partido que melhor se posiciona para efectuar mais um mandato já abriu as portas a uma conciliação com o PAN de forma a formar governo.

Eles estão a sair da sombra e a começar a espojar-se ao sol! Este partido dos urbano-depressivos como Miguel Sousa Tavares o intitulou nasceu, por ali, na linha de costa, junto às praias de Santo Amaro e de Carcavelos, espaços onde já em Maio, centenas para não dizer milhares de jovens e adultos sem objectivos de vida se deitam diariamente a tentar ganhar uma corzita. Dizem-se um partido ecologista mas o que os vemos a fazer é a achar que os animaizinhos não se podem comer. Cuidado com as manobras de diversão destes senhores que neste momento se mascaram com intenção de vir a exercer de forma totalitária. Ainda vamos a tempo… mas cuidado que o tempo escasseia.

A nossa festa é, hoje em dia, espaço de quezílias de toda a espécie. São os toureiros, que querem aparecer nesta e naquela praça de renome, porém existem os mais “poderosos” que não o permitem. São os empresários que têm tanta importância na defesa do nosso património, mas preocupam-se mais em impedir as entradas e saídas de determinados indivíduos, que pretendem difundir a tradição, por troca de um orgulho ferido. São os grupos de forcados, parente pobre da festa, mas que hoje em dia são os que mexem com mais plim-plim, para pegar nas corridas que lhes podem trazer mais protagonismo. São os órgãos de comunicação social em constante briga para ver quem tem a senha de trincheira na praça x ou y, de forma a aparecer e tirar a melhor foto à menina bonita da bancada. E por aqui poderia continuar se tivesse como intuito denegrir a imagem da nossa paixão. Mas não meus senhores, chega disto! É hora de unir as tropas!

Se queremos daqui a cinco anos estar aqui, no país em que nascemos e crescemos a assistir a tão belo espetáculo temos mesmo de nos unir. Amanhã poderá ser tarde… Hoje estamos aqui, amanhã podemos ser saudade.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0