Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Abiul - O brinde dos agradecidos!

  • 2019-08-04 22:06
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se esta tarde em Abiul, a segunda corrida daquela que é no momento, a maior feira taurina do país.
Em cartel, estiveram os cavaleiros António Telles e Luís Rouxinol, com pegas a cargo dos Amadores de Coimbra.
Octávio Chacón compunha o restante elenco, com toiros de Murteira Grave e dois terços de entrada.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Abiul está em festa e mesmo sem o calor habitual, têm sido animados os dias na localidade pombalense.

Mais uma corrida, ou seja, a segunda do certame, que qualifica a feira, como uma das já raras e maiores do país.

De tudo o que vi e ouvi, destaco o brinde de um dos forcados de Coimbra ao nosso querido amigo, Duarte Chaparreiro, pelo muito que gostava da Feira Taurina de Abiul.

Enalteço e louvo o facto, porque hoje e até hoje, com o perdão do erro se o cometer, foi o único a fazê-lo… Um verdadeiro brinde dos agradecidos.

Cartel misto, com presenças de dois cavaleiros, um grupo de forcados e um matador de toiros.

Bem mas bem, esteve António Telles frente ao melhor do seu lote, ou seja, o segundo. Andou em crescendo, como de resto aconteceu no primeiro, mas, a lide deste quarto do festejo, proporcionou ao ginete da Torrinha, uma exibição cheia de classe, bons ferros após reuniões exímias.

Luís Rouxinol, foi autor de duas actuações distintas. A primeira delas, pautada pela regularidade em tom agradável, ou seja, com bom início de lide, dois bons compridos e bons curtos, com epilogo num par de bandarilhas. No segundo, andou com a sua costumeira técnica e apenas por ter ‘disto’ aos montes, pôde contornar as dificuldades impostas pelo manso quinto. Lidou com o Douro.

As quatro pegas da tarde, estiveram destinadas à formação ‘vizinha’ de Coimbra.

Quatro pegas e três delas ao primeiro intento, sendo um dos mais sentidos momentos, aquele em que se despediu um dos mais emblemáticos forcados dos Amadores de Coimbra, Pedro Mendes. Consumou ao primeiro intento, a pega do quarto toiro do festejo, sendo que em seguida, despiu a jaqueta, sendo passeado em ombros pelos restantes elementos.

Ricardo Matos efectivou a primeira função ao segundo intento e as restantes, foram efectuadas à primeira tentativa, por Pedro Casalta e Pedro Silva (cabo).

Octávio Chacón regressava a Abiul depois do triunfo ali obtido no passado ano. Desta feita, os toiros não estiveram de acordo com o triunfo, complicando a vida ao toureiro. Frente ao primeiro, destacou-se sobretudo em bandarilhas, andando mais discreto em nas restantes fases da sua estadia na arena, frente ao segundo, não andou tão certeiro ‘con los palos’, mas, deu ‘brisa ligeira’ em capote, lanceando à veronica… Com a muleta, actuou em crescendo, havendo duas séries de qualidade, rematadas com bonitos passes de peito.

A título de curiosidade, importa referir que o primeiro foi brindado ao ‘grande’ cornetim José Henriques.

O curro de toiros de Murteira Grave, cumpriu em apresentação, sendo que em colaboração, houve dissemelhanças. Na maioria deixaram-se lidar, sendo o quinto foi manso perdido.

A corrida foi dirigida com correcção por Sandra Strecht, sendo assessorada pelo médico veterinário José Manuel Lourenço, numa tarde em que o tauródromo abiulense, registou dois terços de entrada.