Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Samora Correia - O poder de um forcado...

  • 2019-08-20 02:00
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na passada de segunda-feira, a tradicional corrida integrada nas Festas de Samora Correia.
Em cartel Filipe Gonçalves, Miguel Moura e Verónica Cabaço, sendo que as pegas estiveram por conta do Grupo de Forcados Amadores do Ribatejo e Alcochete.
À arena sairam touros de Prudêncio, estando o tauródromo portátil, cheio!
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA

Dizem que os anjos não têm costas e as santas não têm terra... Ainda assim, onde haja uma Nossa Senhora de Guadalupe, lá estou eu... Samora Correia!

São as devoções e a fé, que muitas vezes são o motor para arrancar na direcção certa, dando-nos força, para lutar naquilo em que acreditamos, não havendo nada, nem ninguém que nos desmotive... Desenganem-se as almas chegadas há pouco à tauromaquia... isto de falar de toiros, é giro, dá protagonismo, mas tem os seus detalhes históricos, que covém não substimar.

Nunca melhor dito... Hoje despedia-se um forcado e o eco publicitário em torno deste facto, fez encher uma praça portátil, é certo, mas, de gente com ganas de acarinhar um filho da terra. Esses, os da terra estavam lá, mas os outros, sabedores do mundo do toiro, também.

João Machacaz foi um forcadão daqueles que deixará marca. Não sei se algum dia foi o mais elegante forcado em praça, mas foi, sem sombra de dúvida, foi um dos mais eficazes, um dos mais tecnicistas, um dos mais rotundos... Poderoso fisicamente e com toda a certeza, mentalmente, despediu-se hoje das arenas e de um grupo no qual pegou uma mão cheia de anos... mas que não se esqueça, que houve toda uma 'carreira' ao serviço do Grupo do Ribatejo, a mesma formação que hoje testemunhou a despedida, com uma praça literalmente aos pés de um herói das jaquetas.

Machacaz pegou o segundo toiro da ordem, fazendo-o como a maioria das vezes, ao primeiro intento. Vitor Marques e Leandro Bravo, efectivaram à segunda tentativa as restantes funções, vestindo a jaqueta dos Amadores de Alcochete.

Pedro Espinheira, outro forcadão, o que sucedeu Machacaz na liderança do Grupo do Ribatejo, abriu praça, de forma a brindar ao seu companheiro, a pega do primeiro da ordem. Consumou ao primeiro intento, sendo que a si se seguiram João Pedro Oliveira, efectivando à segunda tentativa e Rafael Costa, à primeira.

Os toiros de Prudêncio, com sobrada apresentação para a praça em causa, foi de comportamento dissemelhante, sendo que o primeiro se adiantava na viagem, havendo ainda, os que se mostraram mais distraidotes... Na generalidade serviram...

Filipe Gonçalves andou correcto na sua primeira prestação, sem que no entanto tenha conquistado triunfo. Cumpriu a papeleta, cravando a preceito, com batidas ao pitón contrário. No entanto, foi frente ao segundo que deu mais de si, sendo autor de uma muito boa prestação, com ferros também eles resultantes de pronunciadas batidas, nalguns dos casos do mais cingido que há... Terminou com o Xique e as palmitas do agrado do público.

Miguel Moura está moralizado e isso nota-se... Esta está a ser quiçá uma das suas mais importantes temporadas, sendo que onde não triunfa, também não está mal... Das duas actuações de Samora, foi a primeira a mais bonita, sobretudo no que concerne à cravagem das bandarilhas e a todo o conceito de lide. Ainda assim e já na segunda prestação, actuou em crescendo, sendo os derradeiros ferros de boa nota, acompanhados de brega a duas pistas.

Veronica Cabaço actuava em 'casa' e isso notou-se. Frente ao primeiro do seu lote, andou desconfiada com o oponente e o seu cavalo de compridos, também... O acoplamento não se fez sentir e as coisas resultaram apenas no terço final da sua passagem primeira pela arena. Ainda assim, o último curto e violino, teriam sido motivo para atraibuição de música, que nunca viria a tocar, incompreesivelmente, visto que falamos de um tauródromo portátil, onde a exigência qualitativa deveria ser mais doseada... Verónica deu a volta ao 'texto' e no segundo, confiou-se mais, redondeando a função com ferros de timbre agradável.

O espectáulo de casa cheia e mais uma espectacular organização da família Levesinho, contou com direcção a cargo do Director de Corrida, Lourenço Luzio, coadjuvado pelo médico veterinário, José Luís Cruz.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0