Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Festival da Cerci Beja rende 7000 Euros

  • 2019-10-12 21:33
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se esta tarde, na Praça de Touros José Varela Crujo, um Festival Taurino com lucros a reverter a favor da Cerci Beja.
Depois de três ausências, actuaram os cavaleiros Luís Rouxinol, Tito Semedo, Manuel Telles Bastos, Luís Rouxinol Júnior, Mara Pimenta, Joaquim Brito Paes e o matador de toiros Manuel Dias Gomes.
Lidaram-se reses de diversas ganadarias, perante um terço de entrada.
CRÓNICA DO FESTIVAL
GALERIA FOTOGRÁFICA

O Festival da Cerci Beja é já uma tradição, mas, estou altamente convencida que, apesar da nobreza da causa, as trocas e baldrocas do elenco, em nada abonaram o seu sucesso.
Em todo o caso, vamos lá ao que realmente importa: entre patrocínios, ajudas e outras coisas mais, o Festival rendeu cerca de 7000 euros, para pessoas a quem importa fazer desfrutar de momentos como estes...
Um enorme OBRIGADO foi o que todos estamparam nas t-shirts vestidas, mas, mais importante que isso, os sorrisos...

Infelizmente não foi um espectáculo com muito para recordar, a não ser o banho de pó, a níveis insuportáveis; o enome tempo de duração, cerca de quatro horas e uma volta atribuída a um toiro, que não serviu, apenas transmitiu, o que é bem diferente de bravura...

Não houve nenhuma actuação redonda, sendo que ainda assim, a melhor da tarde, a mais coesa e de melhor nível, esteve por conta de Manuel Telles Bastos. Bons curtos, num fiel conceito clássico.

Luís Rouxinol abriu o festejo, vendo-se a braços com um novilho escorrido, mas que cumpriu, tal como o ginete. Andou regular nas sortes, terminando com um violino e palmo.

Tito Semedo, foi também autor de uma prestação regular, deixando a ferragem em tom crescente, teminando uma bandarilha de execução agradável.

Manuel Dias Gomes andou correcto, lanceando à veronica, abrindo passo a um tércio de bandarilhas bem efectivado por João Ferreira, com dois pares de muito boa nota. De muleta andou 'asseado', não permitindo o oponente maior 'lucimento'.

Luís Rouxinol Júnior andou intermitente frente ao quinto oponente da tarde. Três compridos e na ocasião um fortíssimo toque na montada. Depois, nos curtos, actuação irregular, deixando um efectivo par depois de dois 'meios' pares. Terminou com um palmito, pedido com muita insistência ao Director...

Mara Pimenta andou em crescendo, deixando bons ferros, iniciando a fase de curtos com ladeios vistosos. Actuação agradável, ainda que com inúmeros lances de capote por parte da sua quadrilha.

Joaquim Brito Paes, 'afinou' pelo mesmo conceito de espectáculo, andando em timbre regular, sem alardes de triunfo. Andou correcto e foi isso...

As pegas da tarde, foram consumadas por três grupos de forcados. Redondo, Monsaraz e Beja.

Pelos do Redondo, foram na linha da frente, Jorge Gato, ao primeiro intento e Diogo Brejo, ao quinto intento, dobrando duas tentativas de Pedro Charrito e uma de Luís Feiteirona.

Representando os Amadores de Monsaraz, pegaram de caras, Paulo Cardoso à primeira e Filipe Navalhas à quarta.

Lidaram-se reses de Passanha Sobral, Pégoras, Ascensão Vaz, Branco Núncio (premiado com volta à arena), Lampreia e Falé Filipe.

Pelos Amadores de Beja, foram caras, Manuel Maria Vicente, à primeira tentativa e Guilherme Santos, à quarta.

Dirigiu o festejo, Domingos Jeremias, assessorado pela médica veterinária, Ana Gomes.

O espectáculo contou com cerca de um terço de entrada, com as ausências de João Moura, Ana Batista e Andrés Romero.

 

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0