Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Balanço da Temporada - Directores de Corrida

  • 2019-11-29 22:32


É a primeiríssima vez, em oito temporadas de actividade, que dissertamos sobre as direcções de corrida.
Se é uma grande verdade que, os directores de corrida não são artistas e que por isso, a neutralidade que deveriam ter, dar-lhes-iria a melhor das invisibilidades, real é também, que uma boa ou má direcção de corrida, pode condicionar um espectáculo e o seu correcto desenvolvimento...

Em tempos idos e durante uma larga franja de anos, os 'inteligentes', foram sempre os mesmos, na sua maioria antigos toureiros e dizia-se que, pela imagem já cansada e pelos muitos anos de actividade e consequente 'intimidade' com os artistas actuantes, haveria uma tremenda falta de rigor, imposta pela incapacidade autoritária...

Mudaram-se os tempos e claro, mudaram-se os directores e com as novas caras, chegou um ar fresco e uma autoridade mal entendida pelos aficionados e sobretudo, pelos artistas, que viram muitas acções condicionadas.

Entenda-se, que aqui, no TouroeOuro, fomos sempre muito adeptos do rigor e é nisso que apostamos. Rigor, isenção e sobretudo, sensibilidade perante cada facto imposto pela casualidade de cada espectáculo.

Dessa fornada, arrisco em nomear um ou dois dos 'inteligentes' cujas direcções mais gostámos. Pedro Reinhardt e Francisco Calado. Ambos sóbrios, coerentes e que, mesmo perante uma ou outra decisão com as quais possamos não concordar, sabiam exactamente fazer o óbvio, ou seja, pôr alguma ordem e rigor na 'casa'.

Foram 'estes', sem desprimor da palavra e vieram outros… E aqui reside o maior problema. Os primeiros, os tais mais antigos, eram permissivos, mas com conhecimentos. Os segundos, mais rigorosos, mas sem conhecimentos.

E agora? Embora o conseguisse fazer sem qualquer problema, mas, uma vez que não são artistas, reservo-me o 'direito' de não citar nomes. Mas, é inevitável frisar não a falta de rigor de alguns dos directores actuais, mas mais que isso, a falta de conhecimentos e total ausência de capacidade de 'mandar', ainda que bem ou mal...

Este ano, assisti a cenas caricatas como um cavaleiro que deu a segunda volta à arena e foi agradecer de aperto de mão repenicado à directora de corrida, durante o espectáculo e à vista de todos; directores a bater palmas; directores com falta de autoridade e que a pedido de toureiros, o lenço que não era para ser colocado, foi; e ainda, uma directora, que mandou recolher o toiro, sob indicação e ajuda do médico veterinário e que, a pedido ou quase ordem do representante da empresa, mudou ideias, ficando o toiro na arena... Isto, nada tráz de positivo à Festa, sendo que, a vicia e a deixa vulnerável e com escassez de rigor.
Acreditamos que é necessário mudar algo, com urgência, sob pena de a nossa Festa, vir a pertencer ao terceiro mundo, com toda a conotação aqui implícita.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0