Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Mário Coelho morre na madrugada do mais silêncioso Colete Encarnado

  • 2020-07-05 12:11


25 de Março de 1936 - 5 de Julho de 2020

Nasceu no dia 25 de Março de 1936, em Vila Franca de Xira.
Mário Coelho Luís, foi um dos mais irreverentes intérpretes portugueses do toureio a pé, defendendo-o de alma e coração sempre quando a isso era chamado e curiosamente, quando não era também...
Falava de tauromaquia com elegância, mas com franqueza e frontalidade.
Foi toureiro reconhecido nas arenas e cartelaria onde se anunciava, mas era toureiro em qualquer rua do mundo, onde se passeava com a classe e 'planta torera' que apenas nasce com alguns predestinados.
Herdando a íntrinseca afición pela tauromaquia dos que nascem em Vila Franca, desde cedo percebeu que não seria apenas aficionado... Aos 14 anos apresenta-se como amador na 'sua' praça, a Praça de Touros Palha Blanco, marcando assim um destino que seria irreversível. 
Primeiramente como bandarilheiro, serviu quadrilhas de matadores de toiros como Manuel dos Santos, Diamantino Vizeu, José Júlio, Francisco Corpas Brotons e Andrés Vasquez... Neste sector, foi e como nao poderia deixar de ser, considerado um dos melhores do mundo e mesmo, o melhor.
Em todo o caso, a 'prata' não bastaria ao serviço da sua afición e qualidade e o ouro era o objectivo a seguir. 
Apresentou-se em Madrid, na Monumental de Las Ventas, a 4 de Maio de 1967, então como novilheiro.
Em 25 de Julho do mesmo ano de 1967, tomou alternativa, em Badajoz, tendo como Padrinho Júlio Aparício e testemunha, Manuel Cano 'El Pireo'.
No ano de 1975 confirma alternativa na Praça México e no ano de 1980 (14 de Maio), confirma no tauródromo mais importante do mundo, em Las Ventas, em plena Feira de Santo Isidro.
Depois de um percurso invejável e de uma volta a todos os países de cultura taurina e de neles ter actuado, despede-se em Lisboa, no Campo Pequeno, corria o ano de 1990, cortando a coleta, num momento carregado de simbolismo, sendo o seu filho, Mário Vizeu Coelho quem a cortou.
Mário Coelho foi casado duas vezes. A primeira vez casou com Veronica Vizeu, com quem teve um filho e a segunda vez, casou com a sua actual companheira, Helena Guerra.
Carreira de êxitos, recheada de momentos inolvidáveis e um orgulho conjunto para toda a sua legião de fãs, com episódios que sempre se recordarão, como o dia em que estoqueou um toiro na Praça de Touros Daniel do Nascimento, na Moita, no ano de 1984.
Em tempos de pandemia, não resistiu aos efeitos de um vírus maléfico, muito mais que qualquer toiro que enfrentou ao largo da sua bonita passagem pela tauromaquia, ficando agora, a possibilidade de recordar um pedacinho de 'Si', na sua Casa Museu, ou com uma simples passagem pela sua estátua, resultado de um bonito tributo prestado pela Câmara Municipal da sua eterna apaixonada, Vila Franca de Xira.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0