Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Câmara de Santarém aprova moção pela actividade taurina

  • 2020-07-07 12:45


A Câmara Municipal de Santarém, aprovou esta segunda-feira, 6 de Julho, uma “Moção de Reabertura da Atividade Taurina”, onde apela que seja considerada a equidade na adopção de medidas para a área da cultura como um todo, sem discriminação de qualquer expressão cultural.

Refere a moção que, se na legislação portuguesa os espetáculos tauromáquicos são espetáculos de natureza artística, “se a tauromaquia é tutelada pelo Ministério da Cultura, então não é de justiça que não esteja sujeita a medidas de prevenção semelhantes às de espetáculos de outras artes”, pode ler-se no documento, onde acrescenta mesmo que, “ (…) é necessário atribuir aos espetáculos tauromáquicos, a mesma importância e relevância de outras atividades culturais, que já retomaram os seus eventos.

Salienta ainda a moção aprovada por unanimidade que “a proposta de ocupação de ⅓ da lotação das praças não é justa, desde logo porque não é igual à de outras atividades culturais, com a agravante que algumas dessas se realizam em recintos fechados, ao contrário do que acontece nas praças de toiros.”

” A tauromaquia é um espetáculo sazonal, que se realiza maioritariamente entre Março e Outubro, e que, devido à pandemia provocada pela COVID-19, tem tido prejuízo significativo para as empresas do sector”, refere a Câmara Municipal de Santarém, que pela presente moção, recomenda ao Governo e à DGS que aprovem regras justas de funcionamento dos espetáculos, nomeadamente no que se refere ao número de lugares e filas condicionados e ao ajustamento das mesmas em função da capacidade de cada equipamento tauromáquico (Praça de Toiros), indispensável para minimizar os prejuízos causados aos profissionais do sector pela pandemia COVID-19.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0