Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Primeira da Moita - João Telles fez valer a noite

  • 2020-09-16 02:35
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na noite de terça-feira, 15 de Setembro, o primeiro de quatro espectácuos integrados na Feira Taurina da Moita.
Anunciados estavam os cavaleiros Luís Rouxinol, João Ribeiro Telles e o espada espanhol Miguel Ángel Perera, sendo o mesmo substituído pelo diestro luso, João Silva 'El Juanito'.
As pegas de toiros de David Ribeiro Telles estiveram por conta do Grupo de Forcados Amadores da Moita, sendo que a pé se lidaram reses de Ascensão Vaz.
A Praça de Touros da Moita registou muito boa entrada de público, dentro das limitações impostas em consequência da crise sanitária.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

A vida tem destas coisas e os homens, também...
O sonho comanda, mas nem sempre acontece e quando a Tauroleve se colocou à frente dos desígnios de uma das praças mais importantes do país, certamente jamais ousou pensar, que veria a lotação do tauródromo reduzida a cerca de 50% e jamais imaginaria, ter de conviver com as restantes limitações impostas pela crise sanitária por Covid-19.
Corridas sem festas, sem turistas, sem areia nas ruas e sem toiros na avenida... Uma tristeza de cenário face à costumeira alegre Moita, de foliões e 'cheiro' a toiros a cada esquina.

A Tauroleve, quando sonhou a Feira Taurina da Moita 2020, jamais ousaria também imaginar, que um dos nomes mais sonantes do elenco, Miguel Ángel Perera, daria a 'tampa', por motivos que a empresa justificou, nos quais cremos piamente, mas que, nos escusamos aqui e agora de comentar...

Já dizia o ditado, que faz falta quem está e assim foi, numa corrida em 'Dia do Município', com substituição de Perera a cargo do luso, Juanito.

A vida é isto, dizia eu, e a verdade é que o público parece ter entendido a situação, marcando presença em bom número. Moldura humana a 'quase' encher a lotação permitida.

'Casos' à parte, lá foi por diante o espectáculo, com cartel enfim rematado pelos cavaleiros Luís Rouxinol, João Ribeiro Telles e Juanito, com pegas a cargo dos Amadores da Moita e toiros das ganadarias de David Ribeiro Telles e Ascensão Vaz.

Luís Rouxinol andou bem nas duas actuações, quiçá dando mais nas vistas na segunda. Se na primeira deu ar de graça com violino e palmo, na segunda, brilhou em bandarilhas com o Douro e a sua brega muito ligada, deixando a finalizar, um par de bandarilhas.
Passagem correcta pela Moita.

Pese embora as prestações agradáveis do toureiro de Pegões, a verdade é que a nível equestre, a noite foi de João Ribeiro Telles.
Se frente ao primeiro já havia feito uma pintura, frente ao segundo, rebentou com o quadro, deixando as duas últimas bandarilhas de forma completamente arrepiante. Com o Ilusionista, partiu de largo, atacou o toiro, batida ao pitón contrário e explosão nas bancadas.
Antes, com o primeiro do seu lote, deixou duas primeiras bandarilhas de muitíssimos quilates, com impressionante quiebro e música a ser atribuída ao primeiro curto. Grandes momentos de um toureiro a quem se nota a motivação e até alguma 'aparente' facilidade no triunfo.
Telles fez valer a noite...

As pegas da noite, estiveram por conta em solitário, dos forcados do Grupo de Amadores da Moita.
A primeira pega foi consumada ao terceiro intento pelo cabo Pedro Raposo, sendo que as restantes foram efectivadas à primeira 'viagem', pelos caras David Solo, Francisco Tavares e Fábio Silva.
De salientar é também que a entrega das novas jaquetas aos forcados desta formação, foi feita antes do início de cortesias, na arena da Daniel do Nascimento.

E porque o festejo era misto, actuou frente a dois touros de Ascensão Vaz, João Silva 'El Juanito'.
Juanito tinha o dever e mais, quase imposição de triunfar, visto que não deveria deixar cair o ambiente para o dia seguinte, no cartel em que se anuncia apenas com matadores lusos. O que se passa é que o primeiro toiro não repetia investida e não emprestava emoção, nem ligação à faena. Juanito tentou de tudo com a flanela rubra, mas o seu labor soube a 'bebida morna' em tempo quente.
Frente ao segundo, com um pouco mais de potabilidade, contornou defeitos e fez-nos acreditar nas virtudes do oponente, pondo muita da sua responsabilidade neste tema.
Alegre e variado em capote, desenhando entre outros passes, bonitas lopecinas, para com a flanela rubra, deixar constância da sua plasticidade e capacidade lidadora. 
Bem por ambos os pitóns, bem nas séries de toureio em redondo, com tempo a desplantes e toureio de joelhos em terra.
Boa actuação frente ao segundo do seu lote.

A cavalo lidaram-se touros da ganadaria David Ribeiro Telles, com escassez de transmissão, mas que não dificultaram a vida aos toureiros.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Técnico Tauromáquico Fábio Costa, assessorado pelo médico veterinário, Carlos Santos.

Como notas de reparo, frisa-se que a arena da Daniel do Nascimento estava 'pesadíssima' para os toureiros, sendo um aspecto a cuidar para os próximos espectáculos, bem como se lamenta não se ter cumprido um minuto de silêncio pelo falecimento no dia do espectáculo primeiro da Moita, do bandarilheiro Jacinto Fernandes.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0