Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Crónica - Cartaxo - “Venha vinho!”

  • 2021-09-04 03:03
  • Autor: Rodrigo Viana
  • Autor da Foto: Rodrigo Viana


A Praça de Touros do Cartaxo recebeu esta sexta-feira, 3 de Setembro, a corrid dedicadao ao vinho.
Frente a touros da ganadaria Jorge Carvalho actuaram os cavaleiros, João Moura Caetano, Duarte Pinto e Parreirita Cigano.
Pegaram os Forcados Amadores da Azambuja, Clube Taurino Alenquerense e Cartaxo.
CRÓNICA DA CORRIDA

A corrida de toiros da vinha e do vinho realizou-se na noite desta sexta-feira, após ter sido adiada por duas ocasiões devido à pandemia que condicionou o arranque da temporada taurina, em Portugal.

O destaque da noite vai para a lide ao terceiro da ordem, por intermédio de Parreirita Cigano. Lidou o toiro mais colaborante que saiu ao ruedo, aproveitando as boas características do oponente para se recriar e desenhar uma lide de muito mérito. Ouviu música concedida pela inteligência, e diga-se, muito bem, ao primeiro curto que foi, de facto, de excelente nota. Esteve inspirado, preparando as sortes com sabedoria, citando de forma frontal para cravar en su sítio como ditam as leis. Tentou encerrar com uma sorte mais arrojada, com acentuada batida ao pitón contrário, citando muito em curto, porém, resultou mais aliviada do que já lhe vimos noutras ocasiões. Frente ao último da corrida, escorrido de carnes, e após brindar de forma emotiva à sua mãe, deixou a ferragem da ordem com alegria, contagiando os seus conterrâneos que, por si só, já o apoiam afincadamente. Encerrou a derradeira atuação com um palmito, não tendo sido possível atingir o nível alcançado na primeira parte do festejo.

O diretor de lide esta noite foi João Moura Caetano, sendo-lhe sorteado o pior lote. O que abriu praça fora repescado à última hora devido à inutilização de uma rês nos curros, sendo pertença da ganadaria escalabitana de Herdeiros de Paulino da Cunha e Silva. O astado com cinco anos e meio cumpridos, preto bragado corrido de capa saiu à arena muito focado em todo o movimento que surgia entre trincheiras, denotando uma investida pouco franca. O ginete monfortense bregou com muita qualidade, cravando a ferragem da ordem em sortes com ligeira batida, havendo, todavia, situações em que as reuniões foram menos cingidas que o desejável. Aquando de uma troca de montadas, o peão de brega Pedro Paulino foi colhido com aparato, não resultando aparentemente consequências relevantes a registar. Frente ao quarto da ordem, um toiro da ganadaria titular do Eng. Jorge de Carvalho, o cavaleiro teve de porfiar para deixar a ferragem que lhe competia, visto ter pela frente um animal manso, que não lhe possibilitou qualquer chance de triunfo.

Completava o cartel Duarte Pinto. Não teve certamente a noite sonhada, porém ninguém pode dizer que não trabalhou para entender e tentar dar a lide mais adequada a cada um dos seus oponentes. Frente ao segundo da corrida, após iniciar com um comprido traseirote, corrigiu no seguinte, seguindo para uma série de curtos que foi deixada dentro da regularidade, havendo lugar a duas passagens em falso. Frente ao segundo do seu lote, destacar os segundo e terceiro curtos ao estribo que foram do que melhor se viu do ginete de Paço d’Arcos.

No que aos homens das jaquetas de ramagens diz respeito, salientar que venceu prémio em disputa para a melhor pega, o forcado João Gonçalves, elemento do Grupo de Forcados Amadores de Azambuja pelo seu desempenho ao primeiro intento, ao quarto toiro da corrida. Respeitante ainda a esta formação avançou também Daniel Leiria, consumando igualmente à primeira tentativa. Pelo Clube Taurino Alenquerense pegaram o cabo, Fábio Lucas, à segunda e Pedro Lourenço à segunda, após uma estóica tentativa em que o forcado, embora sem estar tecnicamente perfeito, suportou derrotes laterais violentos e se aguentou sozinho, após a rês ter fugido ao grupo, até não dar mais. Pela formação local, avançaram os forcados Fábio Beijinho e Vaco Campino, efetivando, respetivamente, ao primeiro e segundo intentos.

Corrida dirigida de forma assertiva e muito coerente pelo delegado técnico tauromáquico Marco Cardoso, assessorado pelo Dr. José Luís Cruz e pelo cornetim Nuno Massano. A praça de toiros de Cartaxo preencheu cerca de dois terços da lotação permitida nos tempos que correm, havendo ofertas de Vinho do concelho, por parte dos responsáveis locais, a todos os intervenientes, fazendo lembrar o velho dito que muito se ouve por estas bandas: “Venha vinho”.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0