Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Balanços da Temporada - Empresas

  • 2021-12-08 19:59
  • Autor: Solange Pinto


Os mais destacados são: Tauroleve e Ovação e Palmas

A Tauromaquia vive indubitavelmente de tradições, mas vive também de hierarquias inegáveis aos olhos de quem a analisa e a vive.

Pese embora a importância do toiro (a que deveria reinar em primeiríssima instância) e ainda dos verdadeiros artistas, toda a tauromaquia está na mão de quem a organiza, entenda-se, de quem promove espectáculos, ou seja, dos empresários.

A teimosa aliança de funções num mesmo individuo, parece ser agora uma moda em forma de praga… condicionante de expansão de méritos. Em outras palavras, mesmo que um toureiro triunfe e muito mereça uma oportunidade pela qualidade das suas actuações, essa mesma oportunidade aparece via-troca e não, via-mérito…

Posto isto, os destaques no que a empresários concerne, são os possíveis…

A Tauroleve, foi e é a empresa que reúne algumas das características essenciais para que se dê mote aos grandes espectáculos.

Elegância no trato e nas abordagens, cartéis importantes, tentando-se a diferença, mas, sobretudo, arrojo e holofotes aos elencos ganadeiros.

Este ano, tal como em outros passados, Vila Franca e Moita foram as joias das suas coroas, com feiras taurinas com quilates e boas respostas do público.

Há outro nome no panorama taurino português que não se poderá isentar de triunfos e destriunfos… Parece confuso, mas a verdade é que a tauromaquia portuguesa está com pilar em dois alicerces. Um já referido, a Tauroleve e outro, Luís Miguel Pombeiro, da empresa Ovação e Palmas.

É verdade que Pombeiro não fez tudo certo e dos seus erros, consta principalmente a equipa de marketing paupérrima pela qual se rege e se difunde enquanto empresário, contudo, a sua genialidade é conhecida desde os tempos em que foi braço direito de João Pedro Bolota e o seu golpe de génio, foi este ano, a corrida Mourista, no Campo Pequeno.

Este festejo marcou a sua acção na temporada 2021, colocando, bem ou mal, todos a falar do tauródromo lisboeta e a bilheteira, também “comunicou” de outra forma, sendo o festejo com melhor lotação no percurso de Pombeiro à frente da mais importante do país…

Porque não seria justo não falar de outros a quem a seriedade e arrojo não faltou, há que lembrar o regresso da tauromaquia a Abiul, com dois festejos de pompa, bem como uma seríssima feira taurina também em Sobral de Monte Agraço (por ocasião do centenário do tauródromo), organizadas pela Junta de Freguesia de Abiul e José Luís Gomes, respectivamente.

Falando de regressos, lembrar ainda Rafael Vilhais e as suas organizações com “timbre” em Salvaterra e Rui Palma, numa esgotadíssima Messejana, com regresso da tauromaquia também a São Manços.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0