Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Santarém - Um gigante Francisco Palha

  • 2022-06-10 22:48
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na Praça de Touros Celestino Graça, em Santarém, a segunda corrida realizada por ocasião da Feira Nacional da Agricultura.
Actuaram os cavaleiros Luís Rouxinol, João Ribeiro Telles e Francisco Palha, com toiros da ganadaria Palha.
As pegas estiveram por conta dos Grupos de Forcados Amadores de Santarém e Montemor.
O tauródromo registou cerca de meia casa forte.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Em tempos idos, esta data do 10 de Junho, Dia de Portugal, era garantia de casa cheia na Monumental Celestino Graça. O passado não é tão distante e urge, cremos, repensar algumas estratégias que pareciam estar facilmente ‘no bolso’.

Ainda assim, meia casa forte com maior incidência na sombra.

Espectáculo demorado, com intervalo enorme, para regar a arena, tentando minimizar o , que teimou em não deixar os espectadores limpinhos.

Além dos tempos ‘mortos’, há que cuidar também as constantes entradas e saídas dos sectores. Autênticos corrupios de gente dentro e fora, com copos que inevitavelmente se entornam e um incómodo geral para todos.

Este tauródromo é grande, a arena gigante e o público facilmente se desliga do que acontece no ruedo.

Santarém não é só grande, é importante. O som deverá também ser cuidado, para que todos consigam ter ‘acesso’ a Homenagens, comentários do speaker.

Pese embora tudo o que atrás se disse, Santarém é Santarém e tudo o que ali acontecer, deve ser tido em conta…

A tarde começou com uma Homenagem a Luís Rouxinol, pela comemoração dos seus 35 anos de Alternativa.
Luís Rouxinol andou bem na primeira actuação, embora sem deslumbrar demasiado. Contudo, deu primazia a uma brega ligada de bom nível. Destaca-se o primeiro curto pela positiva.
Frente ao segundo, um toiro que ofereceu mais complicações, andou como pôde, montando o Douro em fase de bandarilhas, de forma a ligar mais a lide. Ainda assim, o oponente não replicava, pelo que tudo resultou demasiado ‘sonso’. Terminou com um par de bandarilhas cravado numa passagem por dentro, consentido Rouxinol um toque aquando da reunião.

João Ribeiro Telles lidou um primeiro (segundo do seu lote, pelo facto do primeiro ter saído inutilizado), deixando boa nota da sua capacidade lidadora com classe. Brega muito ligada e bons curtos, sendo que o oponente veio a menos e com ele, a lide…
O segundo, neste caso o touro sobrero, foi um manso perdido, ao qual Telles deixou apenas e só a ferragem da praxe, numa passagem sem história que contar.

Francisco Palha agigantou-se em Santarém.
Foi ele o grande triunfador de uma corrida em que todos estavam distraídos, preocupados em afogar as mágoas ou simplesmente matar o calor com as idas aos bares. Palha acordou tudo e todos com dois ferros em sorte de gaiola, brutais… sortes bem desenhadas, que motivaram aplausos. Os dois compridos seguintes a cada uma destas sortes, foram também de elevadíssimo nível.

O comportamento dos toiros que enfrentou, distinto.

Frente ao primeiro, Palha de tudo fez e bem. Brega de grande beleza, com detalhes, com raça e uma pureza ‘esquisita’. As sortes foram o culminar de reuniões a sério, com todos os preceitos. Os remates, bonitos. Uma praça em pé e um triunfo gordo, dos sérios.

Frente ao segundo, outra história. Palha enfrentou-se com um projecto de mansote. A ‘coisa’ foi evoluindo e até nos esquecemos… Palha labutou, provando que estes toiros também podem fazer com que um toureiro ‘levante’ a praça. A musica tocou e bem. Novo triunfo, numa tarde importante.

As pegas estiveram por conta de dois grupos de forcados cuja competição dura há anos: Santarém e Montemor.

Pelos Amadores de Santarém, estiveram na linha da frente, os forcados António Queiroz e Melo, ao primeiro intento; Francisco Cabaço, à terceira tentativa e; Francisco Graciosa, ao segundo intento.

Vestindo a jaqueta dos Amadores de Montemor, pegaram de caras Vasco Carolino, ao primeiro bom intento; Francisco Borges, à terceira heroica tentativa e; António Cortes Pena Monteiro e Francisco Godinho, de cernelha.

O espectáculo contou com Direcção a cargo de Manuel Gama, assessorado pelo Médico Veterinário José Luís Cruz.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0