Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Sobral de Monte Agraço - O triunfo de Miguel Moura e os dois ferros de Rouxinol

  • 2022-09-11 23:06
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se esta tarde em Sobral de Monte Agraço, uma corrida de touros com elenco formado pelos cavaleiros António Ribeiro Telles, Miguel Moura, João Salgueiro da Costa, Luís Rouxinol Júnior, Emiliano Gamero e António Telles filho. As pegas estiveram por conta dos Grupos de Forcados Amadores de Lisboa e Chamusca, com toiros da ganadaria Prudêncio.
O tauródromo resgistou uma entrada que rondou a casa cheia.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Não seria justo iniciar este relato sem fazer justiça com o empresário que 'leva' a gestão do tauródromo sobralense, que lhe deu dignidade e devolveu as casas cheias.
O trabalho feito sempre 'deixa' os seus frutos e ali, no Sobral, assim foi.
Esta tarde de Domingo, a casa encheu e o trapio do curro selecionado foi inegável. O elenco compôs o restante e assistimos a um caso de sucesso e o sucesso, tem sempre que ser reconhecido.

Posto isto, importa continuar com honras ao máximo triunfador do festejo.
Miguel Moura é cada vez mais um toureiro - diferente! Verdade que se compare ao seu Pai e irmão, ao conceito que ambos praticam e que é também o seu, mas nisto, há que referir, que Miguel tem qualquer coisas que é só sua e até o seu semblante é uma marca de distinção mesclada com humildade nas suas acções... caso sério, que se afirma no momento como 'o Moura'!
Nesta tarde, integrada nas Festas do Sobral, deu um verdadeiro show de brega. Uma 'coisa' que não se imita, que se sente e faz sentir... inspiração por todos os poros aproveitando os passos do seu oponente, cuja investida templou até mais não poder.
Triunfo silencioso, sem ruídos, sem sorrisos mas sem caras de guerra. Isto é diferente!
Terminou com um palmito, mas os remates... brega a duas pistas, sem invenções!

Luís Rouxinol Júnior lidou, tal como Miguel Moura, o segundo toiro que nesta tarde foi premiado com volta à arena ao seu criador. Bem nos compridos e nos muito bons iniciais curtos, com imponentes batidas ao piton contrário e que fizeram ouvir sonoros aplausos. Terminou com um par de bandarilhas e um palmito 'raçudo'.

O festejo inaugurou-se com uma actuação regular por parte do mais veterano dos cavaleiros em cartel. António Telles deixou os compridos e curtos sem problemas de maior, mas desta vez sem deslumbrar.

Emiliano Gamero era o 'ar fresco' do cartel, mas o sorteio não ditou sorte por aí além... Gamero andou sóbrio em compridos e iniciais curtos e com o seu sentido de espectáculo, alegrou com o violino e cavalo ao 'alto' para regozijo do público que muito ovacionou.

No que concerne a João Salgueiro da Costa, houve dois momentos, ou, se quisermos, um tom evolutivo na sua passagem pela arena. Se nos compridos consentiu um forte toque na montada, nos curtos, em crescendo, subiu a qualidade, terminando com dois bons curtos, com entradas frontais e emoção no momento da reunião.

António Telles filho foi o menos sortudo da tarde. O toiro que teve por diante, nada quis consigo, fechando-se em tábuas desde muito cedo. A ferragem na sua quase totalidade foi deixada a sesgo, ainda assim de boa forma.

As pegas estiveram por conta dos Grupos de Forcados Amadores de Lisboa e Chamusca.

Para a cara dos toiros vestindo a jaqueta dos Amadores de Lisboa, estiveram Daniel Batalha, ao primeiro intento; Tiago Silva, ao segundo e; Nuno Fitas, à primeira tentativa.

Na linha da frente, representando o Grupo de Amadores da Chamusca, foram Diogo Marques, à primeira tentativa, João Narciso, à segunda e; Gustavo Rodrigues, à segunda tentativa.

Estava um prémio em disputa para a melhor pega, atribuída a Daniel Batalha, do Grupo de Forcados Amadores de Lisboa, com o júri composto por Lourenço Vinhas, Vasco Lucas e António Lúcio.

Lidou-se um curro de toiros da ganadaria Prudêncio, díspar em apresentação e em comportamento, destacando-se positivamente as reses lidadas por Miguel Moura e Luís Rouxinol, atribuindo-se volta ao ganadeiro depois de lidados estes toiros. Negativamente, o último do festejo.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Técnico Tauromáquico António José Soares, com assessoria veterinária a cargo de Jorge Moreira da Silva.

 

 

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0