Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Moita - Na praça da terra da minha Mãe...

  • 2022-09-16 02:25
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na noite de quinta-feira, dia 15 de Setembro, na Moita, uma corrida de touros que, fruto dos adiamentos por mau tempo, acabou por ser a primeira da Feira Taurina com palco na Praça de Touros Daniel do Nascimento.
Actuaram os cavaleiros António Palha Ribeiro Telles, Gilberto Filipe, João Moura Júnior, João Ribeiro Telles, João Salgueiro da Costa e Paco Velasquez, com pegas a cargo do Grupo de Forcados do Aposento da Moita.
Lidaram-se touros de Passanha Sobral, com o tauródromo registou cerca de dois terços de entrada.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Desde miúda que me lembro que a semana das Festas da Moita, era um marco na temporada e tanto assim era, que parava tudo... Nas férias do 'pessoal' lá de casa, sempre se reservou esta semana. Era sagrado que assim fosse.
A praça da terra da minha Mãe, para nós, sempre dividiu protagonismo com outras, como o Campo Pequeno, Vila Franca, Santarém ou Setúbal, mas, a praça da terra da minha Mãe, sempre foi especial... para nós e para tanta gente.
Quando se davam à estampa os cartéis da longa Feira Taurina da Moita, era impossível escolher uma corrida ou duas e então, com menor ou maior esforço financeiro, a Feira vivia-se na sua plenitude.
Na praça da terra da minha Mãe, esperavam-se as figuras de Espanha, as corridas picadas, os forcados da terra e até, a estreia das roupas da nova colecção Outono/Inverno... Na praça da terra da minha Mãe, todos queriam triunfar, porque aquilo valia... e todos queriam estar, na bancada e na arena!
Nesta quinta-feira, na praça de touros da terra da minha Mãe, na bancada, ocuparam-se cerca de dois terços e senti a entrega dos toureiros medida e comedida... Podia ter sido mais, muito mais!

Honra seja feita a Moura Júnior. O único que demonstrou intenções de qualquer coisa a partir do primeiro momento em que entrou para a lide do seu oponente. Eventualmente triunfar. O primeiro comprido foi deixado em sorte de gaiola, resultando bem, dobrando-se depois num bonito remate. Nao considero ter sido um triunfo apoteótico. Não foi. Mas foi uma lide com vontade de 'mexer no sistema'... Bem nos iniciais curtos, com continuidade numa Mourina, que resultou limpa, mas não brilhante, fruto da 'parcimonia' do toiro naquele momento, ainda assim o que mais transmitiu... Epílogo num palmito, numa exibição com uma rotação a mais...

João Ribeiro Telles levou a efeito uma prestação gémea das que costuma ora protagonizar.
Compridos e iniciais curtos a primar pela correcção, sem muito comprometimento, mas a jogar todas as cartas com o Ilusionista e os seus já sobejamente conhecidos ferros com batida ao pitón contrário, dos quais resultou dentro do objectivo, o primeiro deles.

A noite inaugurou-se com António Telles e um terceiro comprido que marcou a sua prestação marcada pela regularidade, mas sem o fulgor de outras. Este comprido, foi dotado e resultado de inspiração. Nos curtos, cumpriu com acerto a ferragem da praxe.

O toiro lidado por Gilberto Filipe, foi o mais complicado e menos franco do festejo e aquele que se viria a rachar mais rapidamente. Ainda assim, refira-se que tinha a sua lide... E teve, contudo, não foi uma noite inesquecível para o toureiro da Atalaia. Nos compridos alguma irregularidade e nos curtos, muita descrição nas abordagens ao astado. Deixou um 'violino de recurso' naquele que foi o melhor momento da sua passagem pela Moita.

João Salgueiro da Costa não fez nada mal. Pelo contrário. Andou regular, deixando mesmo um curto de entrada frontal de nota muito alta. O toiro não transmitiu e por isso, o público pouco reactivo, não valorizou como deveria. Prestação digna, mas sem alardes de triunfo.

Encerrou o capítulo equestre, Paco Velasquez.
Bem nos compridos e em todos os curtos que deixou, com pormenores agradáveis de toureio, ao mais puro estilo do rejoneo. Não vem mal ao mundo e o saldo da sua passagem pela Daniel do Nascimento, foi positivo, tentando o ginete deixar uma marca. Destaca-se pela intenção de 'impactar', as duas últimas bandarilhas, com cite muito em curto.

Leonardo Mathias voltou a dar dimensão à sua formação, que esta noite se encerrou com a pega dos seis touros. Pegou o primeiro e bem, ao primeiro intento. Com o mesmo número de tentativas, ou seja, uma, pegaram ainda João Freitas, Diogo Gromicho, Martím Cosme Lopes e André Silva. Ao segundo intento pegou o segundo toiro da ordem, o forcado Tiago Valério.

Apresentação e trapio com honras de algumas ovações às respectivas entradas na arena para os toiros de Passanha Sobral. Em comportamento, a tónica foi 'deixarem-se' sem levantar grandes problemas, mas, sem a transmissão necessária para que se criasse aquele 'sururu' na bancada.

O espectáculo foi dirigido com acerto pelo Delegado Técnico Tauromáquico Tiago Tavares, com assessoria veterinária de Carlos Santos.

Antes do início do festejo, foi cumprido um oportuno minuto de silêncio em memória de Fernando Quintella pelo cumprimento do quinto aniversário da colhida fatal sofrida na praça da terra da minha Mãe...

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0