Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Moita - Na Praça da terra do meu Avô...

  • 2022-09-18 04:34
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na noite de Sábado, dia 17 de Setembro, na Moita, uma corrida de touros que, fruto dos adiamentos por mau tempo, acabou por ser a segunda e última da Feira Taurina com palco na Praça de Touros Daniel do Nascimento (terceiro espectáculo).
Actuaram os cavaleiros João Salgueiro e João Ribeiro Telles, com pegas a cargo do Grupo de Forcados Amadores da Moita.
A pé, actuaram os diestros Joaquim Ribeiro ‘Cuqui’ e João Silva ‘El Juanito’.
Lidaram-se toiros das ganadarias Passanha e Murteira Grave.
O tauródromo registou cerca de dois terços de entrada.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

As broncas e descontentamentos, já existiam no tempo do meu avô.
A praça da sua terra, a Daniel do Nascimento, tem um público paciente e até já no tempo do meu avô Manuel Luís, contam que as 'coisas' eram assim.
O público da Moita, sempre aguentou sem se queixar... aguentou sempre preços carotes a troco da manutenção da elite, nunca fez questão de toiros ao 'quilo' e muito menos, se as corridas eram longas ou muito longas...

Hoje, foi assim na Moita. Aguentaram tudo, menos que o sexto toiro, de Passanha, não fosse devolvido.

Os motivos e as culpas, morrerão solteiras. O Director de Corrida, mandou tocar a corneta para se perceber se o que o toiro tinha era um congestionamento ou uma lesão motora mais grave... Ainda assim, o primeiro comprido cravou-se fruto do entendimento errado ou desentendimento certo e a verdade, é que o ambiente para a lide de João Ribeiro Telles, ficou insustentável. Assim sendo, Telles, frente ao segundo do seu lote, mais não fez que deixar a ferragem, em número reduzido, sem história, perante os 'pitos' do público. Brindou a Júlio André, mas... mais não houve de registável.
Perante os dois terços fortes de entrada, João Ribeiro Telles havia já lidado o primeiro do seu lote de boa forma, sem deslumbres de nomeada, mas com bons momentos de brega e algumas das sortes muito bem desenhadas.

João Salgueiro (pai) foi o cabeça-de-cartaz desta corrida, fazendo reviver os mais antigos aficionados, os tempos em que foi assíduo na cartelaria lusa.

Salgueiro deu boa nota da ‘facilidade’ das suas acções nos dois toiros lidados, deixando a ferragem comprida de boa forma em ambos, sendo que, em curtos, deu importante ‘ar de graça’ nos dois lidados, actuando em crescendo em qualidade, marcando a sua ‘estadia’ na Moita com duas lides limpas e mesmo, com sortes de boa nota.

Esta corrida, no que ao sector das jaquetas de ramagens concerne, esteve destinada ao Grupo de Forcados Amadores da Moita, marcando-se o dia de hoje, como o dia em que se despediu o seu Cabo, Pedro Raposo, passando o testemunho ao novo líder, seu irmão, João Raposo.

Antigo e novel líderes, consumaram as duas primeiras pegas ao primeiro intento, recolhendo justas ovações do público da ‘casa’.

Antigos e actuais elementos da formação, surgiram fardados, passeando Pedro Raposo em ombros, num dos mais bonitos momentos do espectáculo.

A terceira pega foi consumada à terceira tentativa por Fábio Silva e a derradeira quarta pega, ao primeiro intento por David Solo, partilhando do mesmo ambiente vivido por João Telles, no tal toiro que estava, mas não estava...

Lidaram-se a cavalo quatro toiros da ganadaria Passanha que não primaram pela força, nem sequer pela transmissão, ‘deixando-se’… os dois primeiros com evidente menor trapio que os dois últimos destinados ao toureio a cavalo.

No que concerne ao toureio a pé, um duelo já costumeiro nas bandas da praça da terra do meu avô, onde os empresários tinham pundonor e vontade de não defraudar o público. Agora, nestes tempos mais modernos, o empresário Ricardo Levesinho, tentou exibir dos mesmos galhardetes, mas o ganadeiro cujo sobrero estava nos curros, já não é Homem do tempo do meu avô e por motivos que se desconhecem, não quis que fosse 'regalado' pela empresa ao público... Coisas que não aconteciam na praça da terra do meu avô.

Falamos da ganadaria Murteira Grave, quem 'lançou' à arena da Moita, quatro astados mais rematados que os de a cavalo mas que, não sairam de bandeira. O primeiro do lote de Cuqui dificultou, os restantes, deixaram-se mas sem emprestar brilhantismo ao espectáculo.

Joaquim Ribeiro 'Cuqui' teve uma passagem pela Moita diferente da que ali havia protagonizado em Maio, na sua encerrona. No primeiro, sem recursos, nada de muito significativo a registar na muleta, a não ser os intentos sem expressão ou esperança. De capote alegrou, bem como em bandarilhas, chegando mesmo a sofrer uma voltareta sem consequências. Volta à arena completamente infundada.

No segundo, o diestro português andou mais solvente em qualquer um dos tércios: capote e muleta, chegando mesmo a arrancar bons momentos com a flanela rubra.
Em bandarilhas, efectividade, com um dos pares a resultar demasiado traseiro.

Juanito surgiu na Moita, vestindo 'lila e ouro' e muitas ganas de triunfo.
Sorteando o melhor lote, mas não o bom porque esse não deu as caras por ali, João Silva 'El Juanito', destacou-se em capote em ambas as funções. Contudo, foi de muleta que deu nota de estar mais 'plazeado' que o seu alternante, desenvolvendo faenas muito completas, por ambos os pitons e com muita profundidade. Redondeou na medida do que lhe foi possível, motivando aplausos e vivas de 'torero, torero...'.
Faenas ricas em diversidade de passes e até improvisos, em funções com saldo muito positivo.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Técnico Tauromáquico Ricardo Dias, assessorado na matéria veterinária por Carlos Santos.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0