Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Vila Franca - O Rei e o Príncipe

  • 2022-10-05 02:22
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


O Realizou-se  na noite desta terça-feira, 4 de Outubro, em Vila Franca, a tradicional corrida nocturna integrada na Feira de Outubro.
Em praça estiveram os cavaleiros António Telles e João Moura Júnior, com toiros das ganadarias de Passanha, Ribeiro Telles e Vale Sorraia.
As pegas estiveram por conta do Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca.
O tauródromo registou casa cheia.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

O festejo de terça-feira à noite, integrado na Feira de Outubro de Vila Franca, é por tradição, um dos fortes do certame e também, sendo também um costume que se encham as bancadas da Palha Blanco.
Assim voltou a ser e o ambientazo, um ponto mais no desenrolar da corrida, onde se anunciava um mano-a-mano entre dois toureiros, que aparentemente 'não colidem' e não competem em geração, nem conceitos... contudo, sim, competiram e isso aportou interesse acrescido a um evento com ritmo e interesse de princípio ao fim.

Defrontaram-se portanto, António Telles e João Moura Júnior.
António Telles foi o Rei, triunfando forte, com consistência e poderio.

António Palha Ribeiro Telles partiu para este desafio com pontos a favor. Vejamos: a experiência de uma carreira já longa, o ofício, os encastes e também, a Palha Blanco, praça que sempre esteve a 'seu lado', acarinhando, dando força e agradecendo a forma como ali actua, sendo este tauródromo, um verdadeiro talismã para si.

Ganhou o duelo e isso é indiscutível. António teve e tem argumentos para os toiros mais 'agrestes' e também, para os outros tais, que favorecem o outro conceito... Chega para tudo e com 'armas' que as mostra sempre que a isso é chamado.

Frente ao primeiro, de Vale Sorraia, foi todo um compêndio. Uma sorte de gaiola, um segundo comprido de levantar praça, curtos de excelência, com poder e de poder e uma terceira bandarilha sem enganos, a passar a milimetros e a colocar tudo de acordo. Público rendido de verdade e António a começar a ganhar.

Com o Passanha, andou correctíssimo e em crescendo de qualidade à medida que a lide acontecia. A música pecou por tardia, mas chegou no momento auge. Bem de verdade.

Com o Ribeiro Telles andou soberbo também, continuando a 'abrir' o livro. Foi recebe-lo à porta gaiola e com ele dobrou-se num palmito de terreno. Passagens toureiras, remates das sortes e epílogo de mais uma noite histórica na sua carreira, na 'sua' praça.

João Moura Júnior ousou 'debater' com Telles na Palha Blanco e isso por si só tem mérito. Contudo, a sua primeira actuação não é de todo para recordar. O toiro de Vale Sorraia era alegre, de investida pronta e pedia que lhe dessem todas as vantagens. Moura Júnior poderia, deveria ter 'agigantado' o oponente, mas não fez. Pressionado pelo público que lhe pedia que 'aguentasse', tentava, mas a maioria das vezes o 'remédio' foi desfazer a sorte. Alguns 'pitos' e ausência de música. Houve muito toiro, mas menos toureiro.

Contudo, a raça vem acima e Moura Júnior não quis ficar com este resultado pouco abonatório. Com o David Ribeiro Telles andou correcto, dando passos certeiros e até outra sorte de gaiola a rectificar a primeira que não havia corrido bem. Actuação com música, com sortes bem executadas, mas ainda assim, a nao suplantar os triunfos até aqui vividos por António Telles.

Frente ao terceiro da ordem e último da corrida, da ganadaria Passanha, Moura Júnior esteve nas 'sete quintas'. Era o Passanha, é certo, mas também houve o Hostil e duas Mourinas de bradar aos céus. Bem feitinhas a sério e que levantaram praça. Antes houve um curto com o toiro junto a tábuas, que também foi de grande nota. Boa actuação, a pontuar pela primeira e derradeira vez nesta noite.

Mas porque os títulos mandam, falta falar do príncipe. Carlos Silva recebeu das maiores ovações de que há memória em Vila Franca. Rabejou cinco toiros e no quinto, despiu jaqueta que vestiu por mais de uma vintena de anos. Publico a seus pés, dando o justo e mais que devido valor à sua história enquanto forcado.

A sua formação, a dos Amadores de Vila Franca, pegou o seis exemplares e bem.
Foram caras em consumações ao primeiro intento: Rodrigo Andrade, Rafael Plácido, Pedro Silva, Vasco Pereira e Guilherme Dotti. À segunda tentativa, consumou pega ao terceiro toiro da ordem, o forcado Lucas Gonçalves.

Lidaram-se toiros das ganadarias Passanha, David Ribeiro Telles e Vale Sorraia, com trapio e jogo dissemelhante. Destacam-se pela alegria, os dois primeiros, ou seja, de Vale Sorraia.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Tecnico Tauromáquico Ricardo Dias, com assessoria veterinária de Jorge Moreira da Silva.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0