Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Segredos d'Ouro

  • 2020-04-23 18:30


Se estaria longe de todas as mentes uma guerra dentro dos moldes tradicionais, muito mais improvável seria estarmos a viver, a esta altura do campeonato, verdadeiros tempos de batalha contra um inimigo desconhecido e sem que o mundo, literalmente o mundo, estivesse preparado…

Passaram já, sim, porque um mês e picos é muito na vida de qualquer humano, os tempos de surpresa e de clausura total, na tentativa de evitar a propagação do novo Coronavírus e por isso, temos agora tempo e mente mais disponível, para dissertar sobre a segunda e diria que não menos gravosa, grande luta, sair da crise económica na qual já entrámos sem que se tenha sequer pedido licença…

Ninguém do meu tempo, do nosso tempo (seja ele qual for), se lembra de tamanha crise, das tais, que ouvimos apenas falar em livros bíblicos, por serem das tais que mudariam o rumo de tudo…

No entretanto, em pleno epicentro de crise, Rui Bento veio confirmar em comunicado enviado a algumas redacções, aquilo que todos comentavam já no Dia da Tauromaquia. Estava de saída. Terminou um ciclo de coisas boas e bem feitas, com outras menos boas e menos bem feitas. É assim a vida, num facto(sinho) que teve a expressão que teve… Este não é de todo o maior problema das nossas vidas.

Vejam que o destino é forte e fala sempre mais alto. A sensação que muitos tiveram (eu incluída) de que o festival do Dia da Tauromaquia cheirava a despedida, adquire agora contornos mais efectivos.

A situação do Campo Pequeno, embrulhou-se literalmente e o ‘banho-maria’ é agora a maior e mais triste certeza que temos. Concurso nos moldes anunciados por Covões? É óbvio que não. E assim, com o regresso da actividade judicial depois de levantado o Estado de Emergência, pode ser e ver um desfecho imprevisível… É o destino a falar novamente e a cantar mais alto que a música do Tony Carreira com o refrão ‘destino’ como bandeira.

O Covid-19 fez parar o tempo, num tempo judicial que andará primeiro que qualquer concurso, podendo fazer mudar o rumo da ‘Nossa Casa’ Campo Pequeno.

Mesmo que assim não fosse, sejamos francos. As datas ‘vendidas’ por Covões estão obsoletas e até a forma como se encaram os restantes pressupostos, também.

Ainda assim e com os concorrentes que se de deram a conhecer, deixam-nos espaço a conclusões, que em termos de principais rostos no Campo Pequeno, as coisas poderiam não mudar assim tanto… Coisas…

Nem tudo é Campo Pequeno e a prová-lo, a extensa temporada noutras praças aquando dos seis anos de inactividade da mais importante praça do país. Mas, agora a crise é outra e é importante entender a sua dimensão para a tratar com respeito. Daí não entender esta frase inadequada de Hélder Milheiro a um site de temática taurina ‘A Tauromaquia tem séculos de existência e já passou por muitas fases históricas e socialmente conturbadas, esta é mais uma’… juro que não entendo o optimismo…

Este optimismo é de resto o mesmo com que Paulo Pessoa de Carvalho, presidente da APET, encarou o início da crise pandémica, em declarações ao site toureio.pt…

Tudo optimistas e isso é bom. Quando afirmamos muitas vezes uma coisa, acabamos por nela acreditar e assim, vivemos todos melhor…

Os órgãos de comunicação, estão habituados a noticiar factos e talvez por isso, nos custe tanto acreditar em vazios ideológicos, pouco assentes em objectividades…

Sabemos, de outros ‘Carnavais’, que os agentes da Festa, mas sobretudo os seus dirigentes, foram e são adeptos de acções atrás da cortina. Dizem que não têm de exibir as iniciativas e/ou diligências, a bem do sucesso das mesmas… Sabemos que o português, gosta mais de encobrir que mostrar, mas a verdade é que deveríamos, uma vez na vida, pôr os olhos no que se passa aqui ao lado, onde os mais emblemáticos e poderosos ganadeiros, vêm a público (aos órgãos de comunicação, ah pois é), denunciar as fragilidades económicas com que se enfrentam neste momento. Veja-se por exemplo, as declarações do Ricardo Gallardo, da ganadaria Fuente Ymbro, dizendo que terá de reduzir a 50% o seu efectivo, a bem da manutenção do ferro.

Nós por cá, nada sabemos…

Veja-se também o exemplo da reunião dos representantes de todos os sectores tauromáquicos com o Ministério da Cultura e Desporto. Fez-se gala na publicação da notícia.

Vejam-se também, os exemplos de cartas abertas a denunciar a pobreza de profissionais do sector em consequência da crise, como por exemplo a do diestro Salvador Cortés…

Vejam-se as notícias publicadas em meios como o Mundotoro, onde toureiros portugueses se promovem, denunciando que os matadouros têm longas filas de espera para abate de reses bravas… Não me lembro, de esta notícia ter provocado mails ressabiados da associação de criadores de touros de lide (espanhola)…

O português sempre teve vergonha da miséria e a pobreza envergonhada, é inimiga da ‘volta por cima’ que se tem que dar…

José Alberto Carvalho, pivot da TVI, despediu-se introduziu ontem o intervalo do telejornal, dizendo que iria ser curto por escassez de publicidade… Nós aqui dizemos o mesmo, perdemos a totalidade da publicidade, mas nunca perderemos a a dignidade e sobretudo, temos outras formas de subsistência… mas não andamos revoltados com a vidinha. Construímos soluções, contamos a verdade e disso, não abdicamos.

Em Espanha chegou-se a alvitrar a realização de corridas, sem publico e apenas transmitidas pela TV…

Por aqui, já se comenta a realização de dois espectáculos de seis cavaleiros cada, com transmissão em redes sociais…

Por falar em redes sociais, houve por aí um antigo forcado de um grupo alentejano e antigo dirigente de uma das associações, que resolveu desenterrar um processo que a ANGF, ousando discutir a dimensão do meu carácter e isso é para o lado que melhor durmo, mas, ousando discutir aquilo que ficou provado em tribunal… Voltamos? Trocamos as cadeiras?

Bem sei que estamos a falar de um ‘antigo tudo…’, bem sei que deve estar angustiado com a quebra no negócio dos seguros, mas tenha calma… a sua opinião já conta muito pouco… Consegue perceber isso?

Não se aflija, agora parece que há uma coisa que é o tik tok dance, faz uns vídeos a dançar e diz que dá muitas visualizações…

Bem, como isto já vai longo, voltamos hoje ou amanhã… para mais uns segreditos que queremos contar…

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0