Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Balanço da Temporada - Cavaleiros Amadores e Praticantes

  • 2019-12-03 22:17


Houve uma fase, não tão longínqua assim, que brotavam como ‘cogumelos’, toureiros a cavalo e a pé, havendo mesmo a sensação, que a proliferação era demasiado desenfreada…

Deixámos o oitenta e agora sim, temos a sensação, que estamos num patamar mais contido, quiçá mais próximo do oito… Não vem mal ao mundo por isto e tal facto, nem sequer permite presumir nenhum tipo de crise. Há sim e finalmente, um ‘ambiente’ em torno dos novatos, mais selectivo, sendo legitimo também concluir, que se houver menos toureiros a ‘nascer’, as oportunidades de ‘rodagem’ serão maiores e o período de ‘formação’ será, mais consistente.

Por entre os nomes que por aí andam já no estágio de praticantes e apesar da já muita ‘praça’ de Correia Lopes, Mara Pimenta e Soraia Costa, apesar da existência dos promissores Manuel Oliveira e Ricardo Cravidão, a verdade é que é Joaquim Brito Paes, aquele que maior qualidade oferece quando analisados factores importantes como a ‘leitura’ das características das reses, a monta e a interpretação do toureio com capacidade comunicativa. É nele que se focam as esperanças e de quem se espera maior evolução, no período iminente da profissionalização.

Antes desta fase, ou seja, os dos cavaleiros praticantes, temos a fase amadora, aquela em que tudo se desculpa, mas aquela em que também, num caso de futuro proactivo, se guardarão as mais ternas recordações.

Aqui, são indiscutíveis três nomes: António Telles Filho e Tristão Guedes de Queirós e, num panorama mais internacional, tendo mesmo conseguido o 'Rojão de Ouro, em Mejanes, Duarte Fernandes, apontando-se como um dos grandes do futuro.

De António Telles, guardamos um muito coerente naipe de actuações, com um estilo muito semelhante ao que interpreta o seu pai e mestre, António Telles.

Tristão, a dar os primeiros visíveis passos, é mais irreverente na atitude e sobretudo, constituiu um ‘ar fresco’ nas arenas. As suas actuações de São Cristóvão e Coruche, moram ainda na retina de quem viu.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0